Blog do Dr. Alexandre Faisal

23/04/2009

Existe um horário melhor para o nascimento do bebê?

O parto é, muitas vezes, evento imprevisível que pode ocorrer a qualquer hora do dia. Mas será que isto tem importância para a mãe e seu bebê?

Você gostaria de ter o seu parto em que período do dia?  Vote 

Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

O cenário é o seguinte: Você está grávida, prestes a dar a luz e de repente lhe surge uma dúvida: Existe um horário melhor para o nascimento do bebê? Ou dito de outra maneira: ter o parto pela manhã ou à noite faz diferença em termos de complicações para o bebê?. Esta interessante questão foi respondida por um estudo publicado no American Journal of Obstetrics and Gynecology a partir da análise de mais de 34 mil partos realizados em hospital vinculado à Universidade da Califórnia. Os nascimentos dos recém-nascidos, não gemelares, foram classificados de acordo com o horário do dia: nascimentos diurnos, entre 7 da manhã e 6 da tarde, nascimentos noturnos, entre 6 da tarde e meia noite e os nascidos na madrugada, entre meia noite e 7 da manhã. A excelente notícia é que não foram encontradas diferenças entre os grupos de complicações tais como sofrimento fetal, necessidade de UTI, fratura da clavícula, seqüela neurológica, etc. Complicações gravíssimas como morte neonatal imediata ou até 28 dias do parto ocorreram na mesma freqüência nos 2 grupos. Ou seja, o momento do parto não tem impacto na morbidade ou mortalidade do bebê, mesmo após o controle de outros importantes fatores como história obstétrica da mãe e tipo de trabalho de parto. O resultado encoraja as gestantes, brasileiras ou não, que querem parir naturalmente. No entanto, o final feliz não está totalmente garantido. Como os próprios pesquisadores ressaltam: os achados deste estudo se referem a um único excelente hospital americano com todas as condições técnicas de assistência à mãe e ao bebê. E não a todos os hospitais nos mais diversos cantos do mundo. Dependendo de onde, quando e com quem, o nascimento do bebê transforma-se de um ato, simples e natural, numa aventura radical. Para a mãe e para o bebê! (Caughey et al. Am J Obstet Gynecol 2008).

 

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 16h23

20/04/2009

Aleitamento no ambiente de trabalho

Poucas pessoas duvidam da importância do aleitamento materno, mas nem todas se sentem à vontade ao verem uma mãe amamentando

Você é a favor de um local reservado para o aleitamento materno no ambiente de trabalho?  Vote 

Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

Vamos imaginar a seguinte cena: uma colega de escritório, que recentemente voltou ao trabalho, após o parto, aproveita uma pausa para amamentar seu bebê. O que você faz? Age com toda naturalidade ou finge que não vê, olha para o teto, disfarça e sai de fininho. Pois bem, se você está neste grupo de pessoas que ficam desconfortadas ao presenciar uma cena de amamentação não precisa se preocupar. Alguns homens e mesmo mulheres tem reações negativas nesta situação e isto não quer dizer que eles sejam lelé da cuca. Bom para eles, vem aí uma boa notícia de um estudo realizado nos EUA com 400 empregados de uma grande empresa. A conclusão do estudo indica que oferecer à mulher que amamenta um espaço adequado e privativo no trabalho é uma ótima solução para todos: para a mãe e para os colegas de trabalho. Nos colegas de trabalho, isto desperta, inclusive, uma reação favorável ao aleitamento materno. Principalmente se a pessoa já havia passado por esta experiência antes. Se a ideia pega, logo, logo, nas empresas brasileiras, nós teremos ao lado da salinha de café, a salinha do leite. Só que esta será de acesso restrito aos bebês. Os adultos, incomodados ou não, neste caso, terão que ficar de fora. (Suyes K, Abrahams SW, Labbok MH. Int Breastfeed J. 2008)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 17h21

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico