Blog do Dr. Alexandre Faisal

14/08/2009

Adolescentes obesas podem ter mais dificuldade para engravidar, na idade adulta

 A obesidade é um problema sério também entre as adolescentes, que podem ter sua fertilidade prejudicada no futuro.

 Qual é o principal motivo que leva a adolescente a se tornar obesa? Clique aqui para votar  

 Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

Você imaginaria uma associação entre obesidade feminina na adolescência e dificuldade para engravidar na idade adulta?. Então pode pensar, pois está é uma das conclusões de um estudo realizado em Nova York e Oakland, nos Estados Unidos, com mais de 3000 mulheres, com idade entre 42 e 54 anos. Dentre as participantes, 527 mulheres, ou seja, cerca de 16.7% nunca haviam engravidado. As mulheres informaram seu índice de massa corporal na época da “high-school”, ou seja, ao redor dos 17 anos de idade, em plena adolescência. A conclusão dos pesquisadores é que o aumento do índice de massa corporal é acompanhado do aumento dos índices de ausência de gravidez. A porcentagem de mulheres que nunca engravidaram considerando o peso que elas referiam ter nesta da vida temos é: 13% para as magras, 16.7% para as com peso normal, 19.2% para as com sobrepeso e “tchan tchan tchan” 31% para as obesas. Em outras palavras, a chance da adolescente obesa de não engravidar na idade adulta é quase 3 vezes maior que a adolescente com peso dentro dos limites normais. E isto independentemente de outros fatores que poderiam estar implicados na infertilidade feminina. Felizmente, o desenho do estudo apenas levanta esta hipótese que precisa ser melhor investigada por novas pesquisas. De qualquer maneira, a gravidez é uma decisão muito importante na vida das mulheres. Uma decisão de peso, ou melhor dizendo, uma decisão de perder peso, no caso das adolescentes gordinhas. (Polotsky et al. Fertil Steril 2009)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 13h48

10/08/2009

Menopausa: quanto tempo duram as ondas de calor?

 A onda de calor é um dos sintomas que mais incomoda as mulheres na menopausa

 Você imagina qual é a duração média deste sintoma?  Clique aqui para votar  

 Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

Quando tempo duram, ou melhor, até quando vão as ondas de calor ?. Ondas de calor ou fogachos são descritas como sensação de calor difusa ou localizada pelo corpo, mais no tronco e cabeça, seguida da sensação de frio e sudorese. É um calorzão diferente, como as próprias mulheres dizem, que não tem nada a ver com a temperatura ambiente do momento. Se você é mulher, jovem, e ainda está longe da menopausa, é possível que isto não faça a menor diferença para você. Mas se você já chegou lá ou tem uma parente, mãe, tia que reclama dos fogachos, você provavelmente se interessará na resposta. Segundo um estudo conduzido em Portland, nos Estados Unidos, com 438 mulheres, com idade entre 45 e 69 anos, que foram avaliadas num seguimento de até 13 anos, a duração média do sintoma é de mais de 5 anos. Isto mesmo, 5 anos e meio para ser mais exato. No entanto, quanto o seguimento de tempo era menor, 8 anos, a duração das ondas de calor eram reduzidas para 3 anos e 4 meses. Um outro dado curioso para não dizer assustador é que após 13 anos de acompanhamento, ainda 23% das mulheres continuam pegando fogo. Ou melhor, referindo ondas de calor. Bem se você está prestes a entrar na menopausa e ficou preocupada com o problema, tenha calma. A boa notícia é que pelo menos 30% das mulheres não apresentam o sintoma. Algumas, de fato, passam batido pela menopausa e não estão nem aí para as muitas queixas típicas desta fase da vida. Neste caso pode-se literalmente dizer que “elas não esquentam” (Col et al. Menopause, 2009).

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 23h54

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico