Blog do Dr. Alexandre Faisal

24/09/2009

Homens mais velhos e complicações obstétricas

A idade da mãe é reconhecidamente um fator importante para algumas complicações obstétricas. Será que isto também vale para a idade do pai? 

Você mudaria sua decisão de ficar grávida em função da idade do parceiro? Clique aqui para votar   

Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

 

As mulheres que tem uma atração e se casam com homens mais velhos vão ficar mais felizes da vida com os resultados desta pesquisa. Principalmente, se elas vierem a engravidar dos seus parceiros. A conclusão de um estudo realizado nos Estados Unidos é a seguinte: o risco de complicações obstétricas como parto prematuro, bebe de baixo peso e até mortalidade perinatal é maior para pais adolescentes do que para pais com mais de 40 anos. Nesta pesquisa, os autores avaliaram retrospectivamente os resultados obstétricos de mais de 2 milhões de partos, de mulheres casadas, com idades entre 20 e 29 anos, que estavam parindo pela primeira vez. Resultado: os recém-nascidos filhos de pais mais jovens, ou seja, abaixo de 20 anos, apresentaram um risco maior de diversas complicações na comparação com aqueles filhos de pais com idade entre 20 e 29 anos. Mais importante ainda, estes achados foram independentes de fatores maternos. Por exemplo, o risco do bebe ser prematuro ou com peso inferior a 2500 gramas foi cerca de 15% maior neste grupo de jovens pais. Mesmo as complicações fatais foram maiores no caso de pais adolescentes. E os pais acima de 40 anos?. Bem eles foram aprovados neste, teste de qualidade. Não foram encontradas associações entre pais com mais de 40 anos e resultados obstétricos adversos. Esta conclusão soa como alívio para homens que, vamos dizer assim, são mais maduros, já que alguns trabalhos científicos mostram uma clara associação entre idade avançada do pai e malformações do bebe. Depois desta pesquisa, eles vão poder dizer que são como alguns vinhos: envelhecidos, mas reconhecidamente testados e aprovados.  (Chen et al, 2008.Human Reproduction).

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 20h55

20/09/2009

Até quando se deve fazer o exame de Papanicolau?

A prevenção do câncer de colo uterino por meio do exame de Papanicolau é prática fácil, simples, segura e eficiente. No entanto, muitas mulheres de meia idade querem saber a hora de parar de fazer este importante exame

O que você acha do exame ginecológico? Clique aqui para votar   

Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

 

 

Muitas mulheres não gostam de ir ao ginecologista para realizar exames preventivos, como o Papanicolau para prevenção do câncer de colo uterino. Muitas perguntam inclusive quando podem deixar de fazer o exame, quando estarão livres e despreocupadas com esse sério problema. Pois bem, a conclusão de um estudo realizado na Holanda vai decepcionar as mulheres que acham exame ginecológico um sacrifício. O programa de rastreamento de câncer de colo do útero em mulheres com mais de 50 anos não deve ser interrompido. Mesmo que a mulher tenha tido vários resultados negativos nos exames prévios, em anos anteriores. Nesta pesquisa um banco de dados identificou 2 grupos de mulheres que já haviam apresentado 3 resultados de Papanicolau negativos:: 445.000 mulheres com idade entre 30 e 44 anos e outras 220.000 mulheres de 45 a 54 anos.  Após um período de seguimento de dez anos, a taxa de incidência de câncer de colo uterino era a mesma nos dois grupos: ao redor de 40/100.000. Segundo as autoras do estudo há evidência forte do risco da transformação de lesão precursoras do câncer em câncer em mulheres com idades mais avançadas. O fato é que ainda não se sabe com segurança o intervalo ideal da realização do Papanicolau nesta fase da vida. E o bom senso sugere que ele continue sendo realizado até o surgimento de novas evidências de novos estudos. Após os 50 anos, como se vê, pior do que ir ao "gineco" e acreditar ingenuamente que você está livre dele. (Rebolj et al.BMJ 2009)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 23h50

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico