Blog do Dr. Alexandre Faisal

28/01/2010

Benefícios da cirurgia plástica

  A cirurgia plástica é realizada mais pelos benefícios psicológicos do que físicos. Mas quais são os fatores  que influenciam estes benefícios?. Um estudo recente tem algumas respostas

  Você já fez ou faria uma cirurgia plástica?  Clique aqui para votar 

  Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

  

          A cirurgia plástica geralmente é realizada mais pelos benefícios psicológicos do que físicos. No entanto, o impacto psicológico da cirurgia estética é tema controverso e alguns estudos sobre a questão carecem de qualidade metodológica ou apresentam resultados conflitantes. Um exemplo é confiar apenas na avaliação que a própria pessoa faz do procedimento cirúrgico. Neste caso, ela pode dizer que gostou ou ficou satisfeita para justificar, consciente ou inconscientemente, a cirurgia já realizada.

        Pois bem, dificuldades metodológicas à parte, um estudo procurou avaliar o impacto psicológico das cirurgias estéticas acompanhando 2 grupos de pessoas: 511 que se submeteram à plástica do nariz, mamas ou membros superiores e 105 que se submeteram à cirurgia não estética tal como cirurgia maxilo-facial. Nos 2 grupos havia predomínio de mulheres com média de idade de 29 anos. Os participantes responderam a questionários e instrumentos de avaliação psicológica antes da cirurgia, bem como 3 e 12 meses após a intervenção. Vamos às conclusões e elas vão deixar animadas as pessoas que pensam em fazer cirurgia plástica.

         A primeira é que a plástica tem efeito benéfico evidente, melhorando as dificuldades emocionais relacionadas à aparência física. Segundo, é que o momento deste benefício varia conforme o tipo de cirurgia: 3 meses para a plástica do nariz, a rinoplastia e para a plástica da mama, a mamoplastia; porém mais tarde, 12 meses, para cirurgia do membros superiores. Outra evidência muito interessante é que a melhora no bem estar psicológico está relacionada ao estresse e comportamentos inadequados associados especificamente ao órgão ou parte do corpo que a pessoa deseja modificar e não à aparência total.

        Finalmente, os autores da pesquisa fazem uma ressalva: a avaliação subjetiva das pessoas é mais importante do que a avaliação objetiva do médico. E que a relação entre resultado da cirurgia e satisfação do paciente não é tão evidente e lógica como pode parecer. Assim eles recomendam que para facilitar o ajustamento psicológico pós-cirúrgico à nova aparência é importante considerar as características psicológicas das pessoas que se beneficiam ou não da cirurgia estética. É um modo educado de dizer que em alguns casos nem a melhor cirurgia plástica do mundo dá jeito. (Moss & Harris. Psychology Health Medicine, 2009)    

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 21h55

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico