Blog do Dr. Alexandre Faisal

07/04/2011

"Sugestões" para manter o desejo sexual no casamento

   No "post" anterior, discutimos os resultados de um estudo americano que abordava a queda do desejo sexual das mulheres, após alguns anos de casamento. Agora, apresentamos algumas "sugestões" das autoras do estudo para enfrentar este complicado (e frequente) problema  

    Na sua opínião, qual é "a dica" para manter acesso o desejo sexual, numa relação muito longa ? Clique aqui para votar 

    Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

     

   

 

          Outro dia discutimos os resultados de um estudo qualitativo americano que mostrava que o desejo sexual hipoativo após alguns anos de casamento não estava associado aos conflitos conjugais, doenças ou envelhecimento, mas sim a rotina, excesso de intimidade do casal e desexualização dos papéis de homem e mulher na relação. Uma habituação que nada contribui para o surgimento do desejo sexual. A pergunta que alguns ouvintes fizeram foi: "E daí?. Como enfrentar este fantasma que atormenta o casamento de muitas mulheres (e em alguns casos dos homens também) ?". "Qual é a fórmula mágica que mantém acesso o desejo sexual feminino após alguns anos de casamento?".

 

           Na pesquisa em questão as mulheres tinham em média 6 anos de união. O que convenhamos não é lá muito tempo. Pois bem, os autores têm lá suas sugestões. Inicialmente eles advogam que os profissionais de saúde envolvidos com a questão abordem mais a dinâmica sexual do que apenas, ou prioritariamente, os problemas de relacionamento. Eles admitem que embora seja inevitável a experiência de algum declínio geral da paixão ao longo do tempo, existem também focos problemáticos a serem enfrentadas. Entre eles: lutar contra a institucionalização das relações, promover a auto-erotização e erotização do casal, sendo que isso varia de casal para casal. Introduzir uma distância saudável e individuação na relação e mudar os roteiros sexuais já conhecidos e desgastados. E finalmente, evitar entrar fundo em algum profundo conflito relacional, que pode até estar na base dos problemas de desejo. Para eles, isso pode muitas vezes ser um desperdício de tempo e pode até mesmo piorar a situação.

 

          Um ditado popular diz que os conselhos não adiantam, pois se fossem bons não seriam dados, mas sim vendidos. Neste caso aqui, eles parecem tão bons que eu imagino que muitos casais pagariam por eles. (Sims & Meana. Why Did Passion Wane? A Qualitative Study of Married Women’s Attributions for Declines in Sexual Desire  Journal of Sex & Marital Therapy, 36:360–380, 2010)

    

    

  

 

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 20h34

05/04/2011

Casadas e felizes, mas sem sexo

     Mulheres casadas, mais do que os homens casados, reclamam que o desejo sexual diminui com o passar dos anos.  Uma pesquisa americana qualitativa vai fundo nesta questão para entender como isso ocorre. 

    Você acha que o desejo sexual diminui com o tempo de convivência do casal? Clique aqui para votar 

    Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

     

     

     

  

 

         

          Uma queixa comum das mulheres casadas é de que o desejo sexual diminui com o passar dos anos do casamento. Um problema do casal, mas mais freqüente nas mulheres. No afã de explicar este fenômeno, muitos pesquisadores e as próprias mulheres se apressaram em culpar os conflitos conjugais, as brigas e desavenças, que levam a um desgaste da relação e o esfriamento do desejo sexual. Outros atribuíram ao efeito do envelhecimento, ainda que isso não explique tudo, muito menos em mulheres ainda jovens. Uma pesquisa qualitativa americana vai esquentar este debate.

          Os autores realizaram entrevistas abertas com 19 mulheres, casadas em média há 6 anos,  que haviam perdido o desejo sexual no casamento, procurando entender as atribuições causais que eles fizeram para a perda do desejo sexual e o que impedia a sua recuperação. Todas as participantes tinham desejo preservado no passado, mas o haviam perdido por pelo menos 6 meses. Elas eram saudáveis e não tinham outros problemas sexuais. No final, 3  temas centrais emergiram dos dados, e que explicavam o baixo desejo sexual a institucionalização do relacionamento, o excesso de familiaridade e a desexualização de papéis nesses relacionamentos. Surpresa, surpresa: os conflitos conjugais não eram, prioritariamente, os causadores do problema.  Nem os problemas físicos.

          O problema era a tal "intimidade demais". Mas outros resultados são ainda mais interessantes: nenhuma das mulheres se considerava infeliz no casamento e o problema sexual, o desejo hipoativo, não era tido como possível causador de uma separação do casal. Nem de que ele fosse um sinal de que algo estava errado com a relação. Em outras tristes palavras. Casadas e felizes sim, mas sem sexo. (Sims & Meana. Why Did Passion Wane? A Qualitative Study of Married Women’s Attributions for Declines in Sexual Desire  Journal of Sex & Marital Therapy, 36:360–380, 2010)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 14h07

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico