Blog do Dr. Alexandre Faisal

20/09/2011

Violência doméstica afeta desempenho escolar infantil

    Muitas mulheres vítimas de violência doméstica hesitam pedir ajuda. Um estudo brasileiro mostra qual o impacto da violência por parceiro íntimo sobre os filhos

     Você acha que a maioria das mulheres, vítimas de agressões domésticas, denuncia seus agressores ?  Clique aqui para votar 


     Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra


          A violência doméstica é um seríssimo problema para a mulher, que muitas vezes, hesita em pedir ajuda. Mas ela afeta também a vida dos filhos. Esta é uma das conclusões de um estudo brasileiro que procurou analisar a associação entre a exposição à violência por parceiro íntimo contra a mulher com desajustes comportamentais e problemas escolares entre os filhos. Participaram da pesquisa 790 mulheres que coabitam com filhos de cinco a 12 anos, e moravam no Município de São Paulo, e na Zona da Mata de Pernambuco.

         

          Vejamos os resultados: A exposição à violência por parceiro íntimo, física e/ou sexual grave, esteve associada à ocorrência de problemas escolares, de problemas de comportamento, em geral, e de comportamentos agressivos. Mais ainda, a violência se associou à ocorrência de três ou mais problemas de comportamento entre os filhos, independentemente do transtorno mental comum, da baixa escolaridade, da própria mãe da mãe, ou seja, a avó ter sido vítima de abuso físico e da presença de apoio social e comunitário. No entanto, o estado de saúde mental da mãe constituiu-se em fator mediador da relação entre a exposição à violência doméstica e os problemas de comportamento da criança, sobretudo a agressividade.

 

         

          A mensagem dos autores é que o impacto da violência do parceiro íntimo, na sua forma mais grave, não se limita apenas à mulher, mas afeta também o comportamento dos filhos e deve ser incluída na assistência à saúde das crianças em idade escolar, por meio de intervenções conjuntas entre crianças e mães. Pesquisas nacionais prévias já mostravam que o problema da violência nas diversas formas, física, sexual e principalmente psicológica é muito comum. E atingem mulheres em diferentes épocas da vida e, até mesmo, na gravidez e pós-parto. Infelizmente, por medo, vergonha ou problemas econômicos, muitas mulheres não reportam os abusos. E perpetuam assim o ciclo vicioso da violência, sofrimento e impunidade.

 

          

          Por outro lado, há alguns anos o tema da violência doméstica vem ganhando destaque na mídia, ajudando na conscientização da mulher que como se vê tem mais um bom, ou melhor, um ótimo motivo para enfrentar e sair deste drama: os filhos. (Durand et al, Repercussão da exposição à violência por parceiro íntimo no comportamento dos filhos. Rev. Saúde Pública 2011, 45,(2),355-364)

 

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 13h54

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico