Blog do Dr. Alexandre Faisal

01/11/2011

Até 15% das adolescentes sofrem com hirsutismo

    O aumento de pelos é mais do que um simples problema estético para as adolescentes. Um estudo polonês mostra o impacto do hirsutismo na vida destas jovens. 

    Você sabe o que é a Síndrome dos Ovários Policísticos?  Clique aqui para votar 


     Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

 

 

          Pais e educadores sabem muito bem que a adolêscencia é uma fase difícil. Jovens meninos e meninas enfrentam nesta época diversos desafios indivuais e sociais, experimentam dúvidas sobre a própria sexualidade e identidade sexual, além de uma variedade de conflitos existenciais e psicológicos. Algumas circunstâncias podem tornar essa fase um pouco mais complicada. Principalmente para as adolescentes hirsutas, ou seja, aquelas com excesso de pelos e num padrão que é mais típico dos homens. E o aumento dos pelos pode ocorrer em até 15% das adolescentes, sendo que a principal causa é a chamada Síndrome dos Ovários Policísticos, que cursa também com ciclos irregulares, obesidade e acne. 

 

          Pois bem, um pequeno estudo polonês comparou 2 grupos de adolescentes, entre 13 e 18 anos, com e sem hirsutismo quanto à qualidade de vida, depressão, ansiedade e auto-estima e concluiu algo mais do que esperado. As jovens hirsutas referiam pior qualidade de vida e funcionamento social. Do ponto de vista psicológico, ansiedade foi mais freqüente no grupo das jovens com o problema: 26% versus 10%. E finalmente houve clara associação entre hirsutismo e baixa auto-estima. Os resultados reforçam conclusões de estudos prévios e enfatizam a i8mportância de abordar aspectos psicológicos destas adolescentes hirsutas. Porque se a adolescência já é um período complicado, para os adolescentes e para os próprios pais, pior ainda se a adolescente apresentar este incoveniente aumento da pilificação.

 

          Mas vale destacar que muitos estudos confirmam que o hirsutismo tem impacto negativo para a mulher em qualquer época da vida, seja logo após a puberdade, seja na vida adulta. A explicação?. Ele afeta a imagem corporal e a confiança na atratividade da mulher. Como se vê, não é so um probleminha de adolescente que passa. Pelo contrário, ele pode ser um problemão que durará para sempre. (Drosdzol et al. Quality of life, mental health and self-esteem in hirsute adolescents females. JPOG 2010; 31(3):168-175)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 11h18

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico