Blog do Dr. Alexandre Faisal

03/02/2012

Gravidez após câncer de mama é segura?

     Após a descoberta do câncer mamário, algumas mulheres ainda planejam ter filhos. Uma metanálise,  interessantíssima, avalia a segurança da gravidez após o câncer mamário

    Você engravidaria após um câncer mamário?  Clique aqui para votar 


       Escute o aúdio abaixo ou leia o texto na íntegra

    

    

 

         A questão é intrigante e desafiou um grupo de pesquisadores: a gravidez após o câncer de mama é segura?. Para responder esta pergunta, pesquisadores da Bélgica, Egito, Itália, Grécia, EUA e Dinamarca, fizeram revisão de pesquisas afins, objetivando esclarecer a viabilidade e segurança da gravidez após o diagnóstico de câncer de mama. O fato é que em muitos países, as mulheres estão adiando a maternidade, até para momentos em que, a princípio, seria impensável. Após um diagnóstico de câncer, por exemplo.

 

          Os autores analisaram então dados de 14 estudos publicados, entre 1970 e 2009, que investigaram o efeito da gravidez na sobrevida global, em mulheres com história de câncer de mama. Desses estudos, sete tinham grupo controle, quatro foram de base populacional, e três foram estudos baseados em casos hospitalares. O número total de casos na meta-análise foi 1244 e o número total de mulheres, no grupo controle, foi de mais de 18.000. A idade ao diagnóstico de câncer de mama variou de estudo para estudo, de até 35 anos para até 50 anos de idade. Os critérios para a escolha de controles pareados também diferiam entre os estudos, incluindo fatores como idade, altura, tamanho do tumor, raça, estadiamento e ano de tratamento do tumor. Os pesquisadores descobriram que, em geral, mulheres com história de câncer de mama que engravidaram tiveram uma mortalidade, significativamente, menor, em comparação com mulheres com história de câncer de mama que não engravidaram novamente. Uma redução do risco de 40%. Dos 14 estudos, oito tinham inicialmente demonstrado um benefício de sobrevida significativa com gravidez subseqüente, enquanto os seis estudos restantes apresentaram uma tendência não-significativa favorecendo também a gravidez.

 

          Como o assunto é muito delicado, os próprios autores reconhecem que é preciso cautela com os resultados, admitindo mesmo o chamado viés de seleção, ou seja, o modo como as participantes entraram no estudo, como possível explicação para a redução do risco de morte exercida pela gravidez após câncer de mama. Mas eles afirmam também que é razoável concluir que "gravidez é segura em mulheres com história de câncer de mama". E vão mais longe, e afirmam que aconselhamento contra a gravidez em mulheres com história de câncer de mama não se justifica. Eles defendem também que é importante preservar a fertilidade de mulheres jovens que desejam engravidar após o término do tratamento do câncer mamário. Dados que se comprovados mostram que o diagnóstico de câncer não é sentença de morte. E pelo contrário, pode ser esperança de outra vida (Azim Jr HA et al. European Journal of Cancer 11/2010)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 15h37

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico