Blog do Dr. Alexandre Faisal

24/02/2012

Casais inférteis sem tratamento médico precisam de ajuda psicológica

      Os casais inférteis que não estão em tratamento médico podem apresentar dificuldades psicológicas. Um  estudo americano avaliou como andava a cabeça e o humor destes casais 

     Até quantos tratamentos você se submeteria para engravidar?  Clique aqui para votar 

      

       

   

          Casais que batalham para ter um filho, por meio de técnicas de repordução assitida, enfrentam um grande ônus físico e emocional. Apesar deste reconhecimento, existem poucos dados científicos sobre as necessidades emocionais das pessoas que não estão recebendo tratamentos de infertilidade. Agora, felizmente, esta lacuna foi sanada. Um estudo americano procurou determinar o impacto emocional da infertilidade em homens e mulheres que não estavam recebendo este tipo de atendimento. A participação dos indivíduos, que não conseguiram engravidar nos últimos 2 anos, foi por meio da internet. 585 casais foram incluídos.

 

          Sessenta por cento dos entrevistados ainda não tinham recebido qualquer tratamento de fertilidade. Dentre as mulheres que receberam injeções hormonais, ao redor da metade afirmou ter dúvida sobre a eficácia do tratamento e mostravam-se ansiosas. As duas emoções positivas mais citadas foram esperança e otimismo cauteloso, e as duas negativas foram frustração e impaciência. Quarenta e nove por cento dos entrevistados relataram sensação de desconforto ao estar próximo de mulheres grávidas ou casais com bebês. Pior ainda, 56% relataram que a infertilidade tornou o sexo complicado. Sessenta e dois por cento dos entrevistados haviam escondido a infertilidade da família e dos amigos e 53% disseram esconder os sentimentos do parceiro.

 

          Finalmente, o tipo mais comum de conselho de terceiros recebido por estas pessoas foi para relaxar ou parar de se preocupar muito. Mas só 22% relataram que um membro da família tinha se oferecido para ajudar financeiramente com o tratamento. Se o apoio econômico é raro, e palpites não ajudam, o mínimo que estes os casais, inférteis e sem tratamento médico, podem esperar é compreensão (Domar & Gordon.The Psychological impact of infertility: results of a national survey of men and women. Fertility and Sterility 95(4):Supplement 1S17, 2011)

 

   

 

     

     

     

    

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 17h32

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico