Blog do Dr. Alexandre Faisal

22/05/2012

Bebês chorões tem maior risco de serem hiperativos na infância

     Aproximadamente 20% dos bebês apresentam problemas de ajustamento no primeiro ano de vida. Uma meta-análise avalia se estes problemas se associam com déficit de atenção e hiperatividade na infância

    Você considera que a hiperatividade na infância está mais relacionada a..?  Clique aqui para votar

  

        

       

           Aproximadamente 20% de todas as crianças apresentam, no primeiro ano de vida, sintomas de choro excessivo, dificuldades para dormir e problemas de alimentação, muitas vezes referidos como problemas de ajustamento, No entanto, se questiona se estes problemas de adaptação se associam com  problemas de comportamento da criança no futuro. Por exemplo, chorar excessivamente nos primeiros três meses, não parece estar associado com mal prognóstico no longo prazo, o que já não ocorre com problemas persistentes e/ou múltiplos que afetam o comportamento da criança a longo prazo. Mas será que é isso mesmo?. Para esclarecer este tema, uma meta-análise quantitativa de 22 estudos longitudinais realizados entre 1987 e 2006 avaliou a associação entre problemas de ajustamento na infância e alterações comportamentais tardias, com ênfase no défict de atenção e hiperatividade.

          No total, mais de 1900 crianças com problemas de ajustamento foram avaliadas. A conclusão é que crianças com estes tipos de problema têm risco maior de virem a apresentar défict atenção e hiperatividade, quando comparadas as crianças do grupo controle. Ou seja, crianças que não choravam muito e não tinham problemas importantes para dormir. E a associação era bastante forte. Os autores obervaram também que o problema era mais evidente nas crianças oriundas de famílias muito complicadas, problemáticas, sugerindo que o comportamento errático do bebê pode ser sintoma da família disfuncional.

          E não é de estranhar que possam apresentar dificuldades psicológicas quando crescerem. Mas fica difícl distinguir este impacto negativo nesta tenra idade, da influência do ambiente desfavorável no qual eles vão ser criados. Mas, o fato é, que se eles, os bebês estão chorando muito e dormindo pouco ou mal, vale a pena entender do que eles estão reclamando. (Hemmi MH, Wolke D, Schneider S. Associations between problems with crying, sleeping and/or feeding in infancy and long-term behavioural outcomes in childhood: a meta-analysis. Arch Dis Child. 2011 Jul;96(7):622-9)

    

           

    

        

          

        

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 11h02

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico