Blog do Dr. Alexandre Faisal

29/05/2012

Mensagens por MSN podem ser úteis no tratamento da depressão

   Aderência ao tratamento é um dos maiores problemas no manejo da depressão, que acomete mais mulheres do que homens. Um estudo americano avalia se usar mensagens por MSN pode ser útil

    Você gostaria de receber orientações médicas por MSN?  Clique aqui para votar 

         

 

 

 

          

 

 

          Existe grande preocupação por parte de pacientes e dos médicos com diversos aspectos do tratamento da depressão: aderência ao tratamento e seguimento das recomendações estão entre elas. Uma possibilidade para sanar estes problemas é o uso do telefone, que no entanto, depende de localizar a pessoa e não chega a ser simples, prático e barato. Que tal usar mensagens on line para viabilizar o manejo do tratamento da depressão?. Foi isso que fizeram pesquisadores em Seatle, nos Estados Unidos. No total participaram nove clínicas de cuidados primários de saúde no estado de Washington e foram analisados os resultados de duzentos e oito pacientes que iniciavam tratamento antidepressivo. 

 

          Neste ensaio clínico randomizado foram comparados o tratamento habitual já empregado, com estes cuidados primários associados aos uso de mensagens eletrônicas. A intervenção básica consistia de três contatos on-line de gerenciamento de cuidados com uma enfermeira treinada em distúrbios psiquiátricos. Cada contato incluia uma avaliação estruturada que avaliava a gravidade da depressão, a adesão à medicação, efeitos colaterais, fornecendo assim subsídios para o paciente e para o médico. Neste modelo, o médico responsável pelo caso era capaz de decidir por determindas ações. Toda a comunicação por mensagens ocorreu em ambiente seguro. Na avaliação dos resultados, cinco meses após o sorteio dos grupos observou-se que os pacientes do novo programa de mensagens tinham taxas mais elevadas de adesão ao uso do antidepressivo e maior satisfação com o tratamento da depressão. Para dar um número, 53% neste grupo se diziam muito satisfeitos contra 33%, no grupo de cuidados habituais.

 

          Enfim, tudo parece favorecer a implementação de um modelo moderno e interessante de manejo do tratamento da depressão: o uso das mensagens eletrônicas. Pelo jeito nem o tratamento da depressão vai escapar do MSN. (Simon et al. Randomized Trial of Depression Follow-Up Care by Online Messaging. Gen Intern Med 26(7):698–704, 2011)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 10h12

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico