Blog do Dr. Alexandre Faisal

06/12/2012

Consumo diário de 3 doses de álcool aumenta em 50% o risco de câncer mamário

       

 

 

Dentre os fatores de risco para câncer de mama, alguns podem ser evitáveis. Um estudo alemão avalia se o consumo de álcool é um deles. 

Você conhece quantos fatores de risco para câncer mamário?. Clique aqui para votar

 

 

          Os resultados de uma meta-análise de 113 estudos sobre a associação de álcool e câncer mamário vão impressionar as mulheres. Principalmente aquelas preocupadas com risco de câncer mamário. A principal conclusão da revisão afirma que as mulheres não devem exceder 1 copo de álcool (ou 12 gramas de etanol) por dia, se não quiserem aumentar o risco de câncer mamário. Trata-se, no entanto, de aumento moderado do risco, da ordem de 4%, segundo a pesquisa realizada no Centro de Pesquisa de Álcool na Universidade de Heidelberg, na Alemanha.

          A análise incluiu 44.552 casos de câncer de mama no grupo de não consumidoras de álcool e 77.539 casos de câncer de mama no grupo de consumidoras leves, sendo que 90% dos estudos incluídos eram da América do Norte ou Europa. Cerca de um terço dos estudos (36%) foram ajustados para os fatores principais de mama câncer de risco tais como idade, história familiar, paridade, menopausa, uso de contraceptivo oral e reposição hormonal. Mesmo após os ajustes, o risco permanceu ao redor de 3%. No geral, até 1% a 2% dos casos de câncer de mama na Europa e América do Norte são atribuíveis isoladamente ao fato de beber pouco. Por sua vez, consumo excessivo de álcool, definido como três ou mais drinques por dia, está associado a um aumento de 40% a 50% no risco relativo de desenvolver câncer de mama.

          Não se sabe exatamente como o álcool aumenta o risco de câncer mamário e podem existir vários mecanismos, incluindo os efeitos sinérgicos com outros agentes cancerígenos. Entre as hipóteses estão o aumento dos níveis de estrogênios, que podem ter efeito cancerígeno em tecido mamário, os efeitos do acetaldeído, o estresse oxidativo, alterações epigenéticas e redução das concentrações de ácido retinóico. Os autores defendem com razão o mote “beba com muita, muita moderação” (Seitz HK. Alcohol and Alcoholism.2012)

 

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 10h07

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico