Blog do Dr. Alexandre Faisal

29/01/2013

A retirada do útero (histerectomia) é cirurgia bastante frequente em mulheres na meia idade. Uma revisão de estudos procura avaliar os benefícios de preservar ou não o colo uterino durante a realização desta cirurgia

Você acha que a retirada do útero interfere na vida sexual da mulher? Clique aqui para votar

          A histerectomia por via abdominal é umas cirurgias ginecológicas mais comuns. Em geral, por razões beneignas. Felizmente. Ela pode ser feita por via vaginal ou abdominal, removendo apenas o corpo uterino (histerectomia subtotal) ou ambos, o corpo e o colo do útero (histerectomia total). Comparar, a curto e longo prazo, as duas técnicas foi o objetivo de uma revisão de estudos feita pela Fundação Cochrane. Nove ensaios incluindo 1553 participantes foram incluídos. Os prinicipais resultados mostram que não houve evidência de diferença nos múltiplos parâmetros que incluíram avaliações da função intestinal, sistema urinário e função sexual entre a histerectomia total e subtotal, no curto prazo, ou seja até dois anos após a cirurgia, ou no longo prazo, até nove anos após a cirurgia.

          Claro que na histerecetomia total houve redução do tempo cirúrgico (no total 11 minutos a menos) e da quantidade de sangue perdido durante a cirurgia (57 ml de sangue). Mas estas diferenças não são constituem um benefício clínico importante  e não houve evidência de uma diferença entre os grupos quanto à transfusão de sangue. Mulheres que preservaram o colo uterino tinham menor chance de apresentarem febre e retenção urinária após a cirurgia, mas em compensação apresentaram mais sangramento vaginal cíclico até dois anos após a cirurgia.

          Os autores também não encontraram diferenças nas taxas de outras complicações, contestando a percepção de que a histerectomia subtotal oferece melhores resultados para a mulher. Uma crença que se baseava muito no aspecto sexual. E como se vê, quando se trata de sexo, as coisas são mais complexas que apenas o tipo e cirurgia. (Lethaby A, Mukhopadhyay A, Naik R. Total versus subtotal hysterectomy for benign gynaecological conditions. Cochrane Database Syst Rev. 2012 )

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 12h33

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico