Blog do Dr. Alexandre Faisal

07/02/2013

Há 50 anos trabalhos de parto duravam menos

 

 

 

 

 

 

 

 

Na sua opinião, as gestantes atuais aceitam bem o trabalho de parto?. Clique aqui para votar

 

        Você imagina que há 50 anos atrás uma mulher ficava horas sofrendo no trabalho de parto e que hoje está tudo mais fácil e rápido na hora de parir?. Pois bem, você se enganou. As atuais parturientes, mulheres em trabalho de parto, levam mais tempo para parir na comparação com parturientes de 50 anos atrás. Esta é a conclusão de uma pesquisa americana realizada em Maryland que comparou dados de prontuários de parturientes, de gestações únicas, de 2 períodos: um grupo com  39491 mulheres, entre 1959 e 1966 e outro grupo, com 98359 mulheres, entre 2002 e 2008.

         Os pesquisadores descobriram que o aumento do tempo gasto em trabalho de parto, em partos contemporâneos foi impulsionado por um aumento do tempo gasto na primeira etapa do processo. Na verdade, eles descobriram que a primeira fase do trabalho de parto tem aumentado em 2,6 horas para mães que estão tendo seu primeiro filho e 2 horas para as mulheres que já tinham filhos previamente. A descoberta de que recentemente se gasta mais tempo parindo não está totalmente clara, mas as explicações podem estar nas características das duas populações. As mulheres do segundo grupo são na média mais velhas (26 contra 24 anos), são mais gordinhas (antes e no momento do parto). Também os bebês de hoje são na média 100 gramas mais pesados do que os bebês da década de 60.

          Mas uma outra possível explicação está na mudança das práticas obstétricas. Nos últimos 50 anos, observou-se um aumento significativo no uso epidural, 55% contra 4% e sabe-se que a anestesia epidural é conhecida por aumentar o tempo de trabalho. Mas os autores advertem que isso não explica completamente o aumento do tempo do trabalho. Outras mudanças na prática obstétrica atual como uso de oxitocina para aceleração do parto (31 x 12%), redução no uso de fórceps (6 x 40%) e episiotomia (12 x 65%) podem estar envolvidas, mas o impacto sobre o tempo do trabalho de parto pode ser diverso em cada situação. Resumo da história: em relação ao tempo de parto, vai ter muita gestante que gostaria de ter dado à luz há 50 anos atrás. Laughon et al. American Journal of Obstetrics and Gynecology 2012)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 12h36

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico