Blog do Dr. Alexandre Faisal

14/05/2013

21% das mulheres referem piora da vida sexual após o parto

  

 

 

 

 

 

 

 

 

A piora da vida sexual após nascimento do bebê pode ter várias explicações. Um estudo nacional avalia se a depressão na gravidez e pós-parto é uma delas. 

Você acha que a vida sexual após o nascimento do bebê .....? Clique aqui para votar

 

          Muitas mulheres se queixam. E seus respectivos parceiros também: a vida sexual do casal piora após o nascimento do bebê. E estudo internacionais mostram que existe de fato este risco que chega a acometer 1 em cada 4 casais e é mais evidente após 3 a 4 anos do parto. Pior ainda, até 40% das mulheres apresentam alguma queixa sexual no primeiro ano após-parto. Existem várias explicações, mas o mais importante é a interação de fatores biológicos e psicosociais, sendo que estes últimos são ainda mais importantes e freqüentes. Um destes fatores menos estudado é a depressão no ciclo gravídico-puerperal. Pois bem.

          Um estudo nacional procurou avaliar se gestantes e puérperas deprimidas tem maior risco de apresentarem queixas sexuais meses após o parto. Para isso foram estudadas 830 gestantes atendidas em serviços públicos da zona oeste de São Paulo que foram seguidas até 18 meses após parto. Na gestação e no puerpério elas responderam a diversos questionários abordando depressão e sexualidade, incluindo uma questão direta sobre a auto-percepção sobre a vida sexual após parto: se ela havia piorado ou não na comparação com a vida sexual prévia à gravidez. Os resultados mostram que o declínio da vida sexual é comum: 21% das mulheres apresentaram piora. E mulheres com depressão na gravidez/puerpério tinham 3 vezes mais chance de apresentarem declínio da vida sexual na comparação com mulheres sem depressão nesta fase da vida. Outro dado interessante do estudo foi a época do reinício da vida sexual, algo que, às vezes, é bastante complicado já que as mudanças hormonais e as demandas psicológicas do bebê interferem muito. No estudo o reinício da vida sexual foi ao redor de 2 meses, mas 45% das mulheres já havia retomado a vida sexual no primeiro mês e apenas 4% o fizeram após 6 meses. Conhecer a dinâmica sexual das puérperas é fundamental, mas isso nem sempre faz parte da rotina dos médicos. Nem a mulher se sente à vontade para tocar no assunto. Estudos estimam que menos de 30% das mulheres falem de seus problemas sexuais para seus médicos. E, por sua vez, muitos médicos não gostam ou não se sentem à vontade para falar de problemas sexuais.

          Resumo da história: a mulher sofre sozinha com seu problema e não conta com assistência médica adequada. E se ela também vivenciou o drama da depressão na gravidez e pós-parto, tudo fica ainda mais complicado. Porque como mostra o estudo, se elas estão tristes na gravidez, é grande a chance delas serem infelizes sexualmente depois.  (Faisal-Cury et al. The Relationship Between Depressive/Anxiety Symptoms During. Pregnancy/Postpartum and Sexual Life Decline after Delivery. J Sex Med 2013;10:1343–1349 )

 

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 12h26

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico