Blog do Dr. Alexandre Faisal

25/06/2013

Gestantes avaliam corretamente os movimentos fetais?

          A movimentação fetal no final da gravidez é um bom parâmetro da vitalidade do bebê. Um estudo nacional avalia se as futuras mamães percebem direitinho estes movimentos fetais 

          Você conseguiria (ou conseguiu) avaliar corretamente os movimentos do seu bebê na gravidez ? Clique aqui para votar 

 

 

 

 

 

 

 

          Mulheres no final da gestação (e mesmo antes disso) são orientadas a observar os movimentos fetais. Trata-se de medida que avalia a vitalidade do bebê, garantindo à futura mamãe (e ao futuro papai) certa dose de tranquilidade. Próximo da data do parto, muitos casais ficam mais apreensivos com o bem estar do feto e temem que ele não esteja bem, por motivos diversos e nem sempre bem fundamentados. De qualquer modo, muitos obstetras orientam rotineiramente nas fases finais da gestação este controle da movimentação para fazer inferências sobre a higidez do concepto. Mas será que as mães sabem avaliar adequadamente os movimentos fetais?. Será mesmo que a percepção materna condiz com a realidade e não está percebendo demais (ou de menos) a agitação do seu bebê?. Para esclarecer esta singela e importante questão um estudo nacional realizado na Clínica Obstétrica da Faculdade de Medicina da USP procurou verificar, em gestantes de baixo risco, a concordância entre a percepção materna dos movimentos fetais e os movimentos constatados simultaneamente pela ultrassonografia.

          Para isso, foram avaliadas 20 mulheres, com gestações 36 e 40 semanas, de feto único, com idades entre 18 e 35 anos. Todos os bebês eram saudáveis e sem malformações e a gestação transcorria normalmente sem complicações. Os pesquisadores solicitavam à gestante que, durante 10 minutos, indicasse por meio de um aparelho (cardiotocógrafo) os movimentos fetais. Simultaneamente era realizada a observação destes movimentos pela ultrassonografia. Quer saber o que aconteceu?. Houve boa concordância entre a percepção materna e a observação pela ultrassonografia. Ou seja, a contagem de movimentos fetais pela mãe para avaliação da vitalidade fetal é útil e pode ser empregada. Uma excelente notícia para as gestantes, principalmente aquelas mais carentes que precisam de um método simples, barato, disponível e confiável para avaliação do bem estar do bebê.

          A esta altura todas as futuras mamães devem estar se questionando qual é o número ideal de movimentos fetais a ser utilizado em métodos de contagem. Infelizmente, não existe um critério único, mas aceita-se que 6 movimentos por hora é muito bom e se associa com menor risco de óbito fetal. Porém mexer menos não quer dizer que o bebê tenha problemas. Pode ser só preguiça ou soninho. (Nomura et al. Concordância entre a percepção materna dos movimentos fetais e a visualização pela ultrassonografia. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2013, 35(2):55-59)

 

 

 

 

 

 

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 16h51

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico