Blog do Dr. Alexandre Faisal

07/10/2013

Exercícios físicos se associam com menos queixas pré-menstruais

 

As queixas pré-menstruais atormentam a vida de muitas mulheres. Um estudo brasileiro avalia a relação entre atividade física e intensidade dos sintomas pré-menstruais

Você faria atividade física com o intuito de melhorar os sintomas pré-menstruais ?   Clique aqui para votar

           As mulheres e seus parceiros conhecem bem as agruras da síndrome pré-menstrual (SPM). Os muitos sintomas com variadas intensidade começam 2 semanas antes das regras e só melhoram no final da menstruação. Alterações variam de mulher para mulher e mesmo entre os ciclos da mesma pessoa, mas incluem queixas físicas, alterações do humor, cognitivas e comportamentais. Nos casos mais graves há prejuízo das atividades cotidianas. Os estudos mostram que o problema é comum a depender do critério diagnóstico, sendo que alguns autores afirma que 96% das mulheres apresentam pelo menos 1 sintoma durante o período pré-menstrual, mas que felizmente ou infelizmente, 37,5% das mulheres possuíam alta pontuação na escala de sintomas pré-menstruais. Pesquisas nacionais não ficam muito longe e sugerem que entre 25 e 40% das brasileiras sofrem de SPM.

           Uma questão menos definida sobre os fatores que influenciem a SPM é a prática de atividade física. Pois bem, um estudo nacional procurou verificar a relação entre o nível de atividade física e a incidência da SPM com 71 universitárias saudáveis. Elas tinham em média 24 anos e pesavam 61 kg. O nível de atividade física foi mensurado por meio de questionário e a SPM foi verificada com o uso de um diário de sintomas respondido durante dois ciclos menstruais consecutivos. Foi considerada a ocorrência da síndrome pré-menstrual se três ou mais sintomas fossem relatados até seis dias antes da menstruação (fase pré-menstrual) e ausentes até seis dias após (fase pós-menstrual). Quanto aos resultados, como era de se esperar houve uma relação significativa e negativa entre o nível de atividade física e o escore da SPM. E quando a amostra foi dividida em um grupo com diagnóstico positivo para síndrome pré-menstrual (n=31) e um grupo saudável (n=40), ficou claro que o grupo saudável possuía nível de atividade física habitual significativamente maior do que o grupo com síndrome pré-menstrual. Os resultados reforçam estudos de intervenção que já apontavam benefício da atividade física e dos exercícios no alívio dos sintomas da SPM.

          Uma explicação pertinente para este tipo de achado é que a prática regular de exercícios físicos atenue os sintomas de grande prevalência como ansiedade e depressão. Possivelmente, mudanças bioquímicas decorrentes dos exercícios estejam envolvidas neste processo. Por curiosidade, pergunte a qualquer corredora sobre aquele bem estar típico de uma competição, que costuma aparecer lá pelo meio da prova (e após o desconforto inicial do começo da atividade) e você vai entender do que se trata. No geral, estas observações não chegam a ser surpresa, já que entidades como o “American College of Obstetrician and Gynecologists” recomendam a prática regular de exercícios físicos como um dos tratamentos não medicamentosos da SPM. Só que eles não definem o tipo, a freqüência e intensidade ideal. Coisa que ficará para futuros estudos. Mas pensando bem, se você sofre com a SPM, espere por estes resultados fazendo exercícios (Teixeira et al. Relação entre o nível de atividade física e a incidência da síndrome pré-menstrual Rev Bras Ginecol Obstet. 2013; 35(5):210-4)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 21h06

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico