Blog do Dr. Alexandre Faisal

12/11/2013

Fazer sexo facilita o início do parto?

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Manter relações sexuais próximo do final da gestação pode, em tese, facilitar o início do trabalho de parto. Uma pesquisa na Malásia confirma se isso é verdade e se sexo é seguro na fase final da gravidez

Você acha a prática sexual segura no final da gravidez ?  Clique aqui para votar

         Entrar espontaneamente em Trabalho de Parto (TP) é o desejo de muitas mulheres que planejam e se esforçam para ter um parto normal. Uma estratégia tecnicamente viável para esta finalidade é a atividade sexual. Isso mesmo; fazer sexo no final da gravidez. Uma explicação é que o sêmen humano enfraquece as membranas amnióticas que revestem o bebê, facilitando seu rompimento e o início do TP. No entanto, esta associação entre rotura da bolsa amniótica e coito no final da gravidez é inconsistente. Nem todos cientistas acreditam nisso.

          Pois bem, um estudo realizado em Kuala Lumpur, Malásia, publicado no consagrado periódico BJOG tenta esclarecer se as relações sexuais, após 35 semanas de gestação, se associavam com menor tempo para o estabelecimento do TP. Os pesquisadores convocaram gestantes saudáveis, próximas do termo da gestação, que estavam sem vida sexual ativa nas últimas 6 semanas, para um ensaio clínico com 2 grupos. O grupo de estudo recebia do médico a orientação de que o coito nesta fase da gestação era seguro, natural e efetivo para induzir o parto. O grupo controle recebia apenas a informação de que a atividade sexual era segura. E nada mais. A partir daí as gestantes passavam a anotar a frequência de relações até o momento do parto. No período do pós-parto estes dados eram enviados aos pesquisadores que avaliavam, também, os desfechos obstétricos: o tipo de parto, uso de medicamentos para induzir o parto, complicações maternas ou do recém-nascido, etc. Vejamos o que aconteceu. Como era de se esperar, a atividade sexual foi mais comum no grupo de estudo, 85% contra 80%. Possivelmente, as mulheres se sentiram mais tranquilas para a prática do ato sexual a partir do reasseguramento do médico. No entanto, não foi observada associação entre coito e início do TP ou indução do parto. Ou seja, ter sexo não funciona se o objetivo é entrar em TP.

          Um outro resultado é, porém, alentador: não foram observadas diferenças em termos de complicações maternas ou do bebê, entre os 2 grupos, mostrando que fazer sexo perto do parto é seguro. Como se vê, sexo no final da gravidez é jeito prazeroso e seguro de não entrar em trabalho de parto.  (Omar et al. Coitus to expedite the onset of labour: a randomised trial. BJOG. 2013:120(3):338-45)

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 09h45

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico