Blog do Dr. Alexandre Faisal

14/01/2014

HPV é 3 vezes mais comum em mulheres com menos de 20 anos

 

No mundo estima-se que 291 milhões de mulheres estejam infectadas pelo HPV. Um estudo nacional avalia a frequência e o perfil das mulheres, atendidas nos sistema público de saúde, infectadas por este vírus

Você sabe que existe forte associação entre infecção pelo HPV e câncer do colo uterino ? Clique aqui para votar

 

          O papilomavirus humano (HPV) e a infecção sexualmente transmissível mais comum em todo o mundo. No mundo estima-se que o numero de mulheres infectadas pelo HPV chegue a 291 milhões. A infecção pode persistir de forma assintomática, mas pode levar ao surgimento de diferentes tipos de câncer. Os HPVs do tipo 16 e 18 são os genótipos de alto risco oncogênico, causando aproximadamente 70% dos cânceres do colo uterino. Segundo o Instituto Nacional de Câncer, o câncer do colo do útero é o segundo tumor mais frequente na população feminina e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. Por ano, este tipo de câncer apresenta 18.430 novos casos e faz 4.800 óbitos. Hoje, sabe-se, que a presença do HPV é condição necessária, porém não suficiente para desenvolver câncer cervical. Admite-se que 99,7% das mulheres com este tipo de câncer estiveram expostas ao vírus em algum momento de suas vidas.

          Conhecer a prevalência do HPV e os fatores associados é importantíssimo para a saúde feminina. E este foi o objetivo de um estudo realizado em Unidades Básicas de Saúde no Rio Grande do Sul.  Das 302 mulheres participantes, 55 (ou 18,2%) apresentavam o HPV, sendo que a maior parte era gestante. Outro dado importante foi a associação entre infecção por HPV e idade menor ou igual a 20 anos. Mulheres mais jovens e adolescentes tinham quase 3 vezes mais chance de serem portadoras do HPV. Adolescentes são consideradas mais suscetíveis à infecção pelo HPV e as lesões precursoras do câncer de colo uterino progridem mais rapidamente em mulheres jovens. Estes fatos estariam relacionados ao baixo uso de camisinhas, a imaturidade imunológica sistêmica e cervical e até as diferenças biológicas e/ou fisiológicas no epitélio cervical. Outro fato preocupante foi o encontro freqüente dos HPV 16 e 18 que são de alto risco para câncer cervical.

          A pesquisa reforça a magnitude do problema da infecção pelo HPV e ressalta os cuidados especiais com gestantes e adolescentes. Mas muitas pessoas podem afirmar que estes grupos de mulheres já merecem cuidados especiais independentemente do HPV. (Oliveira et al. Fatores de risco e prevalência da infecção pelo HPV em pacientes de Unidades Básicas de Saúde e de um Hospital Universitário do Sul do Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013; 35(5):226-32)

 


Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 16h27

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico