Blog do Dr. Alexandre Faisal

17/04/2014

Mortalidade associada ao consumo de álcool é maior nas mulheres

Cerca de 4% de todas as mortes no mundo podem ser atribuídas ao consumo do álcool.  Uma meta-análise realizada por pesquisadores chineses mostra se o impacto do consumo do álcool sobre a mortalidade difere entre homens e mulheres. 

Você sabe dizer pelo menos 3 orgãos (ou sistemas) que são afetados pelo uso excessivo do álcool? Clique aqui para votar


          Estimativas da OMS mostram que 65% dos homens e 45% das mulheres ingerem álcool como parte da dieta ou por motivos recreacionais. E que 4% de todas as mortes no mundo podem ser atribuídas a este consumo. Há pouco tempo cientistas questionavam se o impacto do consumo de álcool sobre a mortalidade diferia entre os homens e as mulheres. Mas uma meta-análise, um a análise global de estudos afins, esclareceu esta questão e os resultados não favorecem as mulheres. Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores da Beijing, na China agregaram dados de 24 estudos, que totalizavam mais de 2.4 milhões de participantes. Um dos resultados mais marcantes mostra que na comparação entre as pessoas que  bebiam , as mulheres tinham risco significativamente maior que os homens.

          Um aumento de risco que variou conforme o consumo diário de álcool: de 52% para 75 gramas de álcool/dia até 136% para consumo de 100 gramas de álcool por dia. E, ao contrário, de estudos prévios, os autores não encontraram benefícios do consumo leve de álcool. Mas confirmaram que o maior impacto negativo para homens e , principalmente, para mulheres está no consumo intenso e, muitas vezes, diário de álcool. E claro, eles sugerem moderação e redução da ingesta de álcool, neste grupo de mulheres. A provável explicação destes resultados está na maior susceptibilidade feminina ao álcool. Ou seja, órgão como fígado e cérebro da mulher não toleram  tão bem o álcool como ocorre nos homens. Por exemplo, até admite-se que a redução do volume do cérebro é mais intensa na mulher do que no homem usuário de bebidas alcoólicas.

          Um outro estudo já afirmava que também que 2 doses diárias pra mulher tem mesmo impacto que 4 doses diárias para o homem. Como se vê, mulheres são diferentes dos homens e aquele conhecido refrão “beba como moderação” vale ainda mais para elas. (Wang et al. Effect of drinking on all-cause mortality in women compared with men: a meta-analysis. J Womens Health 23 (5):1-8,2014)    

Escrito por Dr. Alexandre Faisal às 14h53

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP. Formado em Psicossomática pelo Instituto Sedes publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" (Editora Atheneu). Participou do programa "Olha Você" do SBT e atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais em empresas sobre temas que tratam do universo feminino (Amantes na Arte, Mentes Inovadoras, O Erotismo).

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam às mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e bem-humorada das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.

Livro

Alexandre Faisal é coautor do livro "Segregos de Mulher - Diálogos entre um ginecologista e um psicanalista"



(Alexandre Faisal Cury e Rubens Marcelo Volich, Ed. Atheneu).

Histórico